Normandia, noroeste da França, 6 de junho de 1944, uma terça-feira.

Este foi o palco do Dia D, ou Dia da Decisão, a maior invasão aeronaval que já existiu, quando milhares de soldados das Forças Aliadas realizaram o Desembarque da Normandia para combater o Eixo. Foi o marco do início da libertação do continente Europeu da ocupação nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

Reino Unido, União Soviética, Estados Unidos e China formaram as Forças Aliadas em momentos diferentes da guerra. A França esteve entre os Aliados antes de ser ocupada em 1940, e entre os Aliados vencedores, depois da sua libertação, em 1944.

O Eixo era constituído por Alemanha, Itália e Japão. Ao longo da Guerra muitos países juntaram-se ao Eixo para obterem benefícios econômicos e territoriais.

Coube ao Tenente-general inglês Frederick Morgan elaborar um plano detalhado para invadir e reconquistar a Europa de assalto. Pouco menos de 1 ano antes, em agosto de 1943, ele apresentou o documento com o codinome Operação Overlord.

 

Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2263487
Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2263487

 

O DESEMBARQUE NA NORMANDIA

No Dia D, logo ao amanhecer, aviões já tinham bombardeado trincheiras alemãs, e paraquedistas já estavam em ação. Ao longo de 80 quilômetros das praias da Normandia uma frota em torno de 7.000 embarcações atracou, juntamente com centenas de tanques e mais de 150 mil soldados, oriundos dos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Polônia, Bélgica, Grécia, Noruega, Luxemburgo, Tchecoslováquia, Austrália, França e Nova Zelândia. Além dos uniformes encharcados da água mar, lanternas, mochilas cheias de equipamentos, talheres e mantimentos, botas e meias úmidas, capacetes e o fuzil na mão, os soldados carregavam a coragem dentro do peito, prontos para encarar a maior missão de suas vidas.

Ventava forte, o que atrapalhou de certa forma o desembarque, com os soldados Aliados sendo recebidos por um fogo pesado de armas. Além disso, a praia estava repleta de minas e cheia de obstáculos, como arames farpados e estacas. Essa missão aquática recebeu o nome de Operação Neptuno.

O primeiro dia da invasão surpreendeu o comando militar alemão, já que a barreira naval de Hitler era temida por todos. E nesse primeiro dia, somente duas praias, Gold e Juno, foram conquistadas. As demais só foram tomadas no dia 12 de junho. Ao longo dos meses os Aliados foram conquistando espaço e retomando cidades e pontos estratégicos, como Paris, libertada em 25 de agosto, e Bruxelas, em 2 de setembro.

Em 12 de setembro, a fronteira alemã anterior ao início da guerra foi cruzada pelos aliados em Aachen. Enquanto isso, cidades industriais alemãs eram bombardeadas. No início de 1945, os norte-americanos (atacando pelo oeste) e os soviéticos (avançando pelo leste) foram galgando vitórias até chegarem em Berlim, comemorando, finalmente, a vitória dos países Aliados frente a Alemanha nazista de Adolf Hitler, libertando, enfim, a Europa e o mundo.

 

Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=167309
Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=167309

 

O BRASIL E SANTA CATARINA TAMBÉM FIZERAM PARTE DO DIA D.

O que poucas pessoas sabem sobre o Dia D é que o Brasil teve representantes neste momento histórico mundial.

Por muito tempo, apenas um brasileiro era conhecido por ter participado da Batalha da Normandia. Trata-se de Pierre Clostermann, filho de franceses, mas nascido em Curitiba/PR, considerado um dos maiores ases da aviação de caça da França. Clostermann relatou sua participação de seus feitos no Dia D no seu livro, O Grande Circo. Foi também o protagonista do documentário Um Brasileiro no Dia D, roteirizado e codirigido pelo músico da banda Paralamas do Sucesso, João Barone, filho de soldado da FEB.

Porém, quis o destino que, Barone, em uma de suas visitas a Santa Catarina, para o evento anual da Associação Nacional dos Veteranos da FEB, em Jaraguá do Sul, observasse uma placa em homenagem aos Pracinhas da Segunda Guerra Mundial. Lá ele lê o nome de Arthur Scheibel, tendo falecido na Normandia, no dia 6 de junho de 1944. Assim ele descobre algo que poucos até então sabiam: que um catarinense também havia participado heroicamente do Dia D.

 

http://museudapaz.pbworks.com/w/page/96543705/EXPEDICIONÁRIOS%20PÁGINAS
http://museudapaz.pbworks.com/w/page/96543705/EXPEDICIONÁRIOS%20PÁGINAS

 

O CATARINENSE HERÓI

Arthur Scheibel nasceu em Benedito Novo, mas foi criado em Corupá. Nos anos 40 imigrou para os Estados Unidos, onde se naturalizou e tornou-se Tenente da Marinha Norte-americana. No Dia D, Scheibel estava em um dos navios que davam suporte às tropas no desembarque das tropas Aliadas. Porém, os nazistas atacaram as embarcações, explodindo e afundando o navio onde estava o catarinense, provocando sua morte e a de muitos outros que lá estavam.

Meses depois de seu falecimento durante o combate na Normandia, a notícia chegou até seus familiares por intermédio da embaixada brasileira nos Estados Unidos, o que causou enorme tristeza aos seus familiares, amigos e a comunidade em geral.

 

A Arthur Scheibel, e todos os outros heróis, brasileiros ou não, que lutaram bravamente e arriscaram suas vidas na Segunda Guerra Mundial, nossa honra!

E você, que se identificou com esta história de persistência e coragem com a participação de bravos brasileiros, fique atento às nossas próximas postagens. Com certeza traremos mais um assunto de seu interesse, guerreiro!

Invictus

Esse espaço pertence àqueles que buscam conhecer o próprio instinto, àqueles que treinam sem temer ou subestimar o desconhecido; aos que perseguem sonhos com pés firmes no chão, aos que buscam no preparo físico e mental a melhor maneira de viver em equilíbrio e autocontrole. Aqui você vai encontrar todas as novidades do mercado tático, militar e outdoor, no Brasil e no mundo.